Com mais de 30 mil atendimentos em fisioterapia, Hospital Galileu reforça a importância da especialidade na recuperação de pacientes ortopédicos

A reabilitação do paciente após um trauma ortopédico exige cuidados e protocolos assistenciais específicos para cada caso. Em conjunto com outros tratamentos, os exercícios fisioterapêuticos são responsáveis pela recuperação da mobilidade do membro afetado e melhora considerável na qualidade de vida.

Atendendo, em sua maioria, traumas decorrentes de acidentes de trânsito, o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), localizado em Belém, enfatiza a importância da fisioterapia como parte do protocolo assistencial desses pacientes.

No HPEG, unidade gerenciada pela Pró-Saúde, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), a equipe de fisioterapia é formada por sete profissionais. Juntos, eles desenvolvem planos fisioterapêuticos específicos para cada paciente.

“Por meio dos exercícios, conseguimos a reabilitação do paciente, fortalecendo o seu músculo e recuperando o membro afetado. Assim, ele irá retomar seus movimentos mais rapidamente”, explica Paulo Vitor, coordenador de fisioterapia do HPEG.

Mensalmente, mais de 2 mil atendimentos de fisioterapia são realizados na unidade. Apenas em 2020, foram 30.425 mil atendimentos promovidos pelos profissionais do hospital. “Desde o primeiro dia de internação do paciente, já realizamos a triagem e traçamos como será o tratamento dele. Temos um retorno bastante positivo e 100% dos nossos pacientes aderem ao tratamento”, pondera Paulo.

Mesmo em casos de fraturas graves, as chances de recuperação total aumentam após a fisioterapia. Utilizando recursos lúdicos, como a gameterapia, a equipe consegue aliar a fisioterapia com a diversão e acelerar o processo de recuperação.

“A gameterapia é um dos recursos que utilizamos em pacientes ortopédicos. Por meio de um videogame que reconhece o movimento dos braços e pernas, conseguimos fazer com que o paciente realize os exercícios fisioterapêuticos de uma forma divertida. Mas é importante ressaltar que a gameterapia não substitui a fisioterapia tradicional”, explica a fisioterapeuta Laura Alkysa.

Após sofrer um acidente de moto, Lucy Sousa teve uma fratura na perna. Internada há um mês no Hospital Galileu, a paciente recebe, diariamente, o acompanhamento de fisioterapeutas. “Percebi que com os exercícios da fisioterapia, os movimentos da minha perna fraturada foram voltando aos poucos”, disse.

Fisioterapia após a alta hospitalar

Mesmo após a alta hospitalar, os cuidados ainda precisam ser mantidos para garantir o sucesso do tratamento. O HPEG disponibiliza aos pacientes o PAF (Plano de Alta Fisioterápica), iniciativa que garante ao paciente orientações sobre a continuidade de seu tratamento em casa.

“Percebemos a dificuldade do paciente em conseguir um acompanhamento fisioterapêutico após a sua alta. Isso gerava o retorno dele ao hospital, apresentando dificuldades de movimentação, infecção ou não consolidação da fratura”, afirma Paulo.

“Por isso, elaboramos um plano que pudesse orientar esse paciente sobre como agir quando estiver em casa. Quais exercícios deverá fazer e de que forma, cuidados ao subir e descer escadas, manter a cabeceira da cama elevada e outras orientações importantes”, acrescenta o fisioterapeuta.

A implantação do PAF possibilitou mais segurança aos pacientes e seus familiares ao voltarem para casa, além de uma considerável melhora após o tratamento recebido no hospital.

Práticas diárias e recomendações

A prática diária de exercícios físicos irá garantir uma boa recuperação, pois irá melhorar a força muscular, a coordenação motora e do equilíbrio, além de uma agradável sensação de prazer.

De acordo com os especialistas do HPEG, as práticas listadas abaixo são essenciais para a melhora na qualidade de vida e precisam ser inseridas na rotina, seja de quem sofreu um trauma ortopédico ou não. São elas:

Alongamento deve ser realizado antes e após a atividade física: Antes para desenvolver ou manter a flexibilidade e após para favorecer o relaxamento muscular e a volta aos níveis basais da frequência cardíaca e respiratória;

Atividade física: Opte pelo que mais lhe agrada e converse com seu médico e fisioterapeuta sobre qual atividade será mais indicada;

Respiração: A respiração é fundamental para a vida e saúde, pois através dela o corpo é oxigenado. Realize respirações profundas, principalmente nos momentos que antecedem ou finalizam a atividade física.