Hospital Galileu reforça orientações sobre segurança do paciente

Pacientes e acompanhantes do Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém, receberam, nesta quinta-feira (24), orientações sobre as seis Metas de Segurança do Paciente dentro do ambiente hospitalar. Por meio de atividades lúdicas como caça-palavras, jogos de perguntas e respostas e vídeos educativos, os participantes puderam entender a importância do cumprimento das metas dentro da unidade, e como isso garantirá sua segurança durante a internação.

A ação foi realizada pelo Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente (NQSP), em parceria com o setor de Humanização do hospital, que é uma unidade do Governo do Pará, gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar.

Para a enfermeira de Qualidade, Fernanda Pinheiro, é preciso que as ações educativas sempre envolvam os pacientes. “Os usuários são as principais barreiras para que os incidentes não aconteçam. Por isso, quando eles são empoderados e entendem que podem e precisam cobrar que o profissional higienize as mãos ou faça dupla checagem na sua pulseira de identificação antes de qualquer procedimento, os riscos diminuem, fazendo com que tenhamos uma assistência cada vez melhor, de qualidade e voltada à segurança de nossos usuários”, destacou.

Desde o acolhimento do paciente até a enfermaria, as orientações são repassadas e reforçadas, inclusive, entre a equipe assistencial. “Enfermeiros e técnicos, assim como todos os setores da unidade, passam por treinamentos periódicos para que as metas sejam seguidas por todos”, esclarece Fernanda.

Renato Cordeiro participou de uma das dinâmicas, enquanto aguardava sua vez na consulta, e acabou vencendo o jogo de perguntas e repostas. Ele, que já precisou se internar no HPEG há alguns meses, conta que as orientações são importantes e sempre foram trabalhadas. “Acho muito importante o hospital nos ajudar a entender sobre esses riscos, que podem acontecer a qualquer momento se não tomarmos os devidos cuidados. Quando ainda estava internado aqui, essas orientações eram reforçadas por toda a equipe”, disse.

Para que o controle dessa prática seja monitorado e analisado, o HPEG trabalha com mensuração de dados por meio de indicadores, como o Protocolo de Identificação Segura do Usuário. “Esse Protocolo visa assegurar o devido serviço, procedimento ou tratamento correto ao usuário e teve uma taxa de adesão de 95,03% no mês de setembro”, é o que explica a Supervisora do NQSP do Hospital, Laís Taketa. Outros Protocolos, como o de Cirurgia Segura – que reflete na segurança durante a realização de cirurgias com procedimento, local e paciente correto, reduzindo, assim, a ocorrência de incidentes e eventos adversos – são trabalhados dentro da instituição.

Sobre o HPEG

O Hospital Público Estadual Galileu (HPEG) é uma unidade de retaguarda, que atende média e alta complexidades, e presta assistência hospitalar em traumato-ortopedia, clínica médica e cardiologia. O hospital, localizado na Rodovia Mário Covas, nº 2253, é gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (SESPA).

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensora gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.