Balanço: Hospital Galileu realiza 76 mil atendimentos com aprovação de 99% dos pacientes

Neste ano, entre janeiro até julho, o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), unidade gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), concluiu 76.631 atendimentos que envolvem consultas médicas, atendimentos com multiprofissionais, internações, exames e cirurgias.

O resultado positivo desses atendimentos prestados pode ser observado nos dados divulgados pelo Setor de Atendimento ao Usuário (SAU) do HPEG, que apresenta um índice de 99% de satisfação entre os pacientes que utilizam os serviços do Hospital.

Para Patrícia Hermes, gerente do Núcleo de Qualidade do HPEG, a sedimentação desse resultado satisfatório é fruto de um trabalho intenso feito junto aos gestores. “As manifestações vêm sendo acompanhadas de perto, passando por uma análise crítica junto aos envolvidos para que assim possamos ser cada vez mais assertivos nas resoluções. Entendemos que o olhar dos usuários, acompanhantes e visitantes é fundamental e nos proporciona crescer e a aperfeiçoar a nossa atuação”, disse.

O SAU do Hospital Galileu trabalha para garantir a qualidade no atendimento prestado aos pacientes, como explica Rebecca Matos, líder do serviço. “O SAU vem trabalhando junto aos setores, questões como comprometimento, medidas de segurança e melhorias dos processos. E isso tudo reflete na avaliação positiva feita pelos pacientes do HPEG”, ressalta.

Essa satisfação e qualidade é refletida diretamente aos pacientes que passam pelo Hospital Galileu. Elvira Nascimento está internada há quase 3 meses na unidade e se emociona ao falar sobre o atendimento recebido na enfermaria. “O atendimento no Hospital Galileu é maravilhoso. Desde quando cheguei, fui muito bem atendida pelos médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e todas os outros profissionais que trabalham aqui. Não tenho nem palavras para agradecer”.

A satisfação dos usuários conta com um outro fator relacionado ao Núcleo da Qualidade e Segurança do Paciente, que tem por finalidade promover a melhoria contínua dos serviços prestados, além de mitigar ao máximo os riscos institucionais. Desta forma, o HPEG vem trabalhando fortemente com as melhores práticas de gestão da qualidade existentes no mercado de saúde, de modo a fortalecer ainda mais a sua missão junto aos seus usuários.

Como prova deste trabalho, a unidade conquistou o título de Hospital Acreditado Pleno – Nível 2, reconhecido pela Organização Nacional de Acreditação – ONA.

A ONA é uma Organização independente, cujo papel é auditar e certificar se a instituição de saúde atende os requisitos do Manual Brasileiro de Acreditação, que por sua vez, dispõe dos mais altos critérios de gestão de saúde utilizados em todo Brasil.

Sobre o HPEG

O hospital Público Estadual Galileu (HPEG) é uma unidade de retaguarda, gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, que atende baixa e média complexidades, e presta assistência hospitalar em trauma-ortopedia, clínica médica e Cardiologia. O hospital está localizado na Rodovia Mário Covas, nº 2253. A unidade é gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão Secretaria de Saúde do Estado do Pará (SESPA).

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.