Dia da Farmácia: projeto desenvolvido no Hospital Galileu auxilia a prescrição de medicamentos

O dia 5 de agosto é marcado pelo Dia Nacional da Farmácia e dentro de um hospital, o setor é responsável por atividades fundamentais relacionadas a qualidade nos tratamentos de saúde, sejam eles hospitalares ou ambulatoriais.

A atuação desses profissionais contribui para que danos graves não aconteçam ao paciente, como infecções hospitalares. No Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém, unidade do Estado do Governo do Pará, essa segurança e saúde do paciente estão em primeiro lugar. Pensando nisso, o serviço de farmácia hospitalar em parceria com a equipe médica do HPEG inicia no mês de agosto um projeto piloto sobre prescrição compartilhada entre médicos e farmacêuticos. O objetivo da ação é fazer com que o farmacêutico possa contribuir e orientar na prescrição médica antes que ela seja, de fato, validada e encaminhada para o paciente.

A coordenadora de Farmácia do HPEG, Jéssica Barbosa, explica que a iniciativa é importante para melhorar a relação entre médico e farmacêutico. “Acreditamos que com a prescrição compartilhada, otimizaremos o tempo da equipe multiprofissional e o resultado será a melhora no atendimento prestado ao paciente”.

Aos poucos, a atividade está sendo implantada dentro das enfermarias do Hospital Galileu, gerenciado pela Pró Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, e já apresenta bons resultados por parte da equipe envolvida. “Após a implantação do projeto, percebi que me atentei mais em relação a diluição do medicamento. Está sendo um ponto bem positivo.”, explica Bruna Santos, médica Clínica Geral do HPEG.

Para a também médica Ana Carolina Naiff, a troca de experiência entre os profissionais é importante. “Nesse primeiro momento, nós discutimos as prescrições e a avaliação da farmácia em relação aos medicamentos, como por exemplo, o que poderíamos manter ou tirar na prescrição. Acredito que vamos melhorar cada vez mais, principalmente em relação à segurança das medicações e evitar falhas”, disse. Já para a farmacêutica Ana Paula, a iniciativa servirá para o uso racional dos medicamentos nos pacientes internados no hospital. “O projeto foi de suma importância para que nós, farmacêuticos, pudéssemos ter uma relação mais direta com os médicos na hora da prescrição”, explica Ana Paula.

A ideia é inovadora e poucos hospitais já adotaram a medida, como os Hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês, em São Paulo. No HPEG, o projeto irá contribuir para que os atendimentos aos usuários continuem melhorando e garantindo tratamentos mais eficazes durante a recuperação do paciente.

Sobre o HPEG

O hospital Público Estadual Galileu (HPEG) é uma unidade de retaguarda, gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, que atende baixa e média complexidades, e presta assistência hospitalar em trauma-ortopedia, clínica médica e Cardiologia. O hospital está localizado na Rodovia Mário Covas, nº 2253. A unidade é gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão Secretaria de Saúde do Estado do Pará (SESPA).

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.