Sociedade Europeia de Cirurgia Torácica aceita Programa de Banco de Dados do Hospital Galileu

O Programa de Banco de Dados de Cirurgia Torácica do Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém (PA), foi aceito pela Sociedade Europeia de Cirurgia Torácica. Com o aceite, o programa se tornou referência em cirurgia para correção de estenose laringotraqueal por meio de procedimentos a céu aberto ou endoscópico.

A elaboração se deu por conta da grande procura de pacientes que sofreram sequelas no aparelho respiratório e fonador. Estes pacientes não tinham solução qualitativa para esse problema de alta complexidade.

O principal objetivo do programa é restaurar, por meio de via cirúrgica ou endoscópica, a traqueia e a laringe que foram danificadas em algum momento de maior gravidade. Os pacientes, geralmente vítimas de traumatismos, usam uma cânula metálica oca, colada na traqueia fechada para a passagem do ar. Mesmo impossibilitados de falar, podem respirar.

Por ser hospital de retaguarda, que atende baixa e média complexidades, o HPEG também recebe pacientes em recuperação transferidos do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), localizado em Ananindeua (PA). “Os pacientes desse procedimento cirúrgico em sua maioria passaram pelo Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Metropolitano e precisaram ser entubados por longo tempo para manter a ventilação pulmonar artificial até que se recuperassem organicamente. Acolhemos tais pacientes, refazemos as vias aéreas danificadas e, posteriormente, vem a ressocialização deles”, explica o médico coordenador da equipe do programa, Roger Normando.

Os médicos e cirurgiões torácicos especialistas da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica (SBCT), Ajalce Janahú e Marco Antônio Tavares, os anestesiologistas também fazem parte da equipe de trabalho. A criação e aplicação do programa à Sociedade Europeia foram avaliados positivamente pela unidade, que passa a fazer parte de um banco de dados nacional e internacional. As condições técnicas e estruturais, bem como, pela quantidade e pacientes atendidos também foram ressaltados. “Foi um alvoroço nos nossos corações o recebimento da notícia, pois este é um resultado de uma dedicação técnica e humanística com a colaboração de muita gente, desde a diretoria do hospital até o colaborador que transporta o paciente”, comemora Normando.