Hospital Galileu sensibiliza usuários e acompanhantes para a doação de sangue

O administrador Arilson Martins Cândido, de 44 anos, já foi doador de sangue, mas confessa que nunca entendeu o verdadeiro sentido daquele gesto até que ele precisasse de uma doação. “A gente sempre acha que não vai precisar, mas um dia precisa”, disse. Arilson sofreu um acidente de moto, que lhe deixou com fratura exposta na perna esquerda, e teve que passar por uma cirurgia em maio deste ano, no Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém (PA). Na época, ele fez uma campanha na internet para captar doadores de sangue.

Ainda em fase de recuperação, ele esteve no Hospital Galileu para uma consulta, na segunda-feira (11/6), e ficou feliz ao ver a sensibilização que acontecia no local para conscientizar usuários e acompanhantes sobre a importância da doação de sangue. “Às vezes a campanha não chega a todas as pessoas, então aqui é um momento oportuno para fazer esse trabalho, muito importante mesmo”, declarou.

A ação, que aconteceu na sala de espera do ambulatório e recepção da unidade, se repetirá na quarta-feira (13/6). Trata-se de uma parceria da Fundação Hemopa com o hospital, que é gerido pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

‘O Hemopa tem uma parceria com o hospital já de longa data, na qual frequentemente nós fazemos visitas para trazer informação aos pacientes e acompanhantes sobre doação de sangue, tirar dúvidas, sensibilizar sobre a importância de doar sangue, de encaminhar familiares, para que tenhamos o estoque sempre reforçado e não deixe de atender nenhum paciente que precise de transfusão”, explicou Olinda Carvalho, assistente Social do Hemopa.

Olinda conta que hoje são necessários pelo menos 400 voluntários, diariamente, para atender a demanda de mais de 200 hospitais no estado do Pará. E com o intuito de fortalecer essa rede de doação, o estado conta hoje também com as hemorredes. “São núcleos do Hemopa no interior, como Castanhal, Capanema, Redenção, Abaetetuba, entre outros, onde podem ser feitas doações de sangue. Então, por exemplo, se você tem um familiar no interior que gostaria de doar sangue para lhe ajudar e você está internado no Hospital Galileu, basta que lá mesmo, na localidade dele, o familiar informe que quer doar para o Hospital Galileu”, explicou.

Projeto Heróis da Vida

Com o objetivo de incentivar mais pessoas a se tornarem doadores de sangue, o Hospital Galileu conta com o projeto “Heróis da Vida”, criado pela equipe multiprofissional da unidade. É feita uma abordagem multidisciplinar com os pacientes que dão entrada na unidade e seus acompanhantes, esclarecendo e informando sobre a importância da doação de sangue.

“Ainda é uma função muito árdua captar doadores, porque muitas pessoas desconhecem como funciona o fluxo para ser doador, quem pode, quem não pode, então fazemos essa sensibilização justamente para auxiliar esse processo”, disse Manuely Souza Pinto, enfermeira que faz parte do projeto da unidade.

Para doar sangue, é necessário comparecer ao Hemopa ou hemorredes com documento de identificação oficial, original e com foto, ter entre 16 e 69 anos (menores devem estar acompanhados do responsável legal), pesar mais de 50 kg e estar bem de saúde. Homens podem doar com intervalo de dois meses e mulheres a cada três meses. Pessoas que tenham passado por cirurgia só podem doar após um ano.

Arilson, que espera completar os 12 meses de sua cirurgia para voltar a ser doador de sangue, já sonha com este momento e, agora, sabe bem o que esse gesto significa. “Doar sangue é um ato de caridade, de solidariedade, muito importante, que faz bem para quem recebe e para quem doa. Quando eu estiver totalmente recuperado, quero voltar a ser doador de sangue. É algo que eu fazia antes e que com o acidente tive que parar”, afirmou.

Campanha da Copa

Para mobilizar a sociedade em torno da importância da doação de sangue, o Hemopa realiza, de 9 a 16/6, a Campanha da Copa.