Hospital Galileu completa um ano de funcionamento com 3.500 internações

O Hospital Público Estadual Galileu completa seu primeiro ano de funcionamento, implementando mais serviços para a população. Após realizar nesse período, 3.500 internações como retaguarda para os Hospitais Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), Aberlado Santos e Hospital de Clínicas Gaspar Viana. Esse número significa que os 120 leitos abertos no Galileu estão cumprindo a missão de indiretamente aumentar o número de leitos nesses três hospitais, o que representou 3.500 internações a mais para continuação de tratamento. Para celebrar seu primeiro ano, nesta sexta-feira, 12/06, o Galileu receberá uma bênção ecumênica às 8h30. Fará homenagem a pacientes que passaram pela unidade e, também,  lançará oficialmente o serviço de Reconstrução e Alongamento Ósseo, um serviço cirúrgico inédito no Pará, que vai dar proporcionar grandes benefícios a pacientes com sequelas por politraumatismos.

O novo serviço de Reconstrução e Alongamento Ósseo é coordenado pelo médico  ortopedista Marcus Aurélio Preti. Ele explica que trata-se de um método desenvolvido pelo medico russo Abrawovich Ilizarov, em 1950, que baseia-se no ritmo, periodicidade e preservação dos tecidos moles, e é usado para a correção das distorções de tamanhos dos membros superiores e inferiores, causadas, principalmente, por traumatismos, mas que também podem ser causadas por infecções ou tumores, doenças adquiridas, entre outras causas.

Seguindo alguns critérios para a indicação com a correção cirúrgica, sendo o principal dismetrias maiores que cinco centímetros nos membros superiores e três centímetros nos inferiores.  O alongamento é feito usando-se diversos tipos de fixadores implantados nos pacientes através de cirurgias. O novo serviço é eletivo e as cirurgias são agendadas após a realização de todos os exames necessários para saber se o paciente está apto ao alongamento.

Além do novo serviço, o Galileu continua sua missão de ser retaguarda de leitos, como explica Paulo Czrnhak, Diretor Operacional da Pró-Saúde, organização social que administra o Hospital Galileu através de convênio com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (SESPA). “O Hospital Galileu nasceu com essa missão, de ser um hospital de retaguarda, pois tem o grande objetivo de desafogar as emergências dos hospitais de origem e, com isso, facilitar naqueles hospitais o ingresso rápido de outros pacientes graves que requerem atendimento imediato, assegurando assim, maior acesso e atendimento qualificado e humanizado”, explica.