O Hospital voltará a atender casos de traumas ortopédicos, Urologia e Cirurgias a partir desta sexta-feira (26/06).

Após 49 dias atendendo exclusivamente casos do novo coronavírus, o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém, encerrou o ciclo de atendimentos à doença nesta sexta-feira (26) e voltará a ser referência e retaguarda em casos de traumas ortopédicos, cirurgias de alongamento ósseo e torácica e urologia. Com 94 leitos clínicos e 10 de Unidade de Terapia de Intensiva (UTI) disponibilizados durante à pandemia, 145 pacientes tiveram a oportunidade de um novo recomeço após se recuperarem de uma doença que já vitimou mais de 4 mil pessoas no Pará, de acordo com a Secretaria de Saúde Pública (SESPA).

O carpinteiro aposentado Antônio Lameira, de 92 anos, foi um dos pacientes recuperados na Unidade Hospitalar, que é gerenciada pela Pró-Saúde. Após 7 dias internado, ele voltou para o convívio de seus quatro filhos, dez netos e dois bisnetos. Além dele, Jefferson Assayag, de 54 anos, teve a oportunidade de uma vida nova após o tratamento contra a covid-19 no HPEG. Em estado grave e dentro de uma UTI, o vendedor de utilidades se recuperou totalmente e voltou para casa.

“Passei por uma verdadeira luta durante os dias que fiquei internado na UTI. Mas a assistência que tive aqui dentro foi de primeira e fundamental para minha recuperação. Esse hospital é, sem dúvidas, referência no que faz”, relatou, emocionado Jefferson, que aos poucos já volta à sua rotina diária. Os dois pacientes são exemplos de superação e esperança e que demonstram a dedicação diária de toda equipe assistencial da Unidade para garantir a total recuperação dos usuários.

Humanização
Mesmo durante o período de pandemia, onde protocolos de higiene e normas de segurança precisaram ser tomadas a fim de evitar o contágio do vírus, as ações de humanização não pararam de acontecer dentro do HPEG. Uma delas foi a visita virtual, que possibilitou o contato de pacientes com seus familiares por meio de vídeos chamadas. As ligações eram feitas diariamente e garantiam ao familiar e ao usuário um acolhimento com respeito, cordialidade e igualdade.

Durante o período de atendimentos ao Covid-19, o HPEG se reinventou. A necessidade de atender um novo perfil de usuário era grande, exigindo a implantação de novos fluxos e treinamentos e readequando seu espaço físico. Graças ao empenho diário de uma equipe capacitada e dedicada, diversas vidas foram salvas, mostrando o quão essencial o Hospital Galileu foi durante a pandemia.

“Essa pandemia nos mostrou uma equipe guerreira e que nunca desistiu da sua missão. Esses profissionais são exemplos de força e determinação, conseguindo neste período salvar 145 vidas. São pessoas que retornaram para a sociedade com saúde, levando alegria e satisfação aos seus familiares. E mesmo retornando aos atendimentos assistenciais anteriores à pandemia, não diminuiremos nossas medidas preventivas de combate à pandemia, garantindo a saúde de nossos usuários e colaboradores”, ressalta Rodrigo Fauth, Diretor Hospitalar do HPEG.

A pandemia proporcionou também, um novo olhar de vida aos mais de 200 profissionais que atuaram na linha de frente, mostrando a capacidade de cada um e a necessidade de ajudar o próximo. O momento trouxe à tona, também, a certeza de que o HPEG estará sempre preparado para atender à população paraense e que necessita do Sistema Único de Saúde (SUS).

Sobre o HPEG
O Hospital Galileu conclui o ano de 2019 com 125 mil atendimentos realizados, sendo 7.872 consultas especializadas, 4.274 internações, 54.077 exames, 3.314 cirurgias e 56.288 atendimentos multiprofissionais.
Gerenciado pela Pró-Saúde, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (SESPA). O Hospital Galileu foi o primeiro hospital público da capital a conquistar a certificação ONA 3 Acreditado com Excelência, concedido pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Esta é uma das mais respeitadas entidades avaliadoras dos serviços de saúde do país.
Outro feito inédito foi a conquista do prêmio internacional “Health Care Climate Challenge”, que avalia instituições de saúde que estão avançando em direção ao cuidado inteligente com o meio ambiente. A unidade foi uma das cinco instituições nacionais vencedoras do Desafio do Clima pela Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis (Global Green and Healthy Hospitals – GGHH). O Hospital foi reconhecido na categoria de Redução de Gases do Efeito Estufa (não energia), entre 117 unidades que participaram com inscrições em todo o mundo.

Sobre a Pró-Saúde
A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.
Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensora gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.