Projeto do Hospital Galileu proporciona apoio emocional para colaboradores

“Anjos que Cuidam” visa garantir o bem-estar dos profissionais de saúde da unidade

A saúde emocional é tão importante quanto a física. Manter os cuidados com a mente melhora a qualidade de vida e contribui para a diminuição da ansiedade e outros transtornos mentais comuns, principalmente durante o atual período de pandemia.

Para profissionais que atuam na linha de frente do combate ao novo coronavírus, o medo e a incerteza são sentimentos habituais já que a preocupação em contrair a doença e, até mesmo, transmitir aos familiares, é grande. Com o objetivo de proporcionar um tratamento psico-terapêutico e acolhedor para esses profissionais, o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), gerenciado pela Pró-Saúde em Belém, criou o projeto “Anjos que Cuidam”.

A unidade e passou por uma mudança significativa de perfil, já que originalmente é voltada para atendimentos de retaguarda, principalmente na especialidade de ortopedia. Com a pandemia, passou por uma adequação e integra, desde o final de abril, a rede de atendimento para casos da Covid-19 no Pará.

“A saúde mental do ser humano vai além da divisão entre saúde e doença, pois precisa tratar o bem-estar físico, social e emocional, o famoso biopsicossocial. Pensando nisso, criamos o projeto “Anjos que Cuidam”, que tem no nome uma homenagem a estes profissionais que cuidam de pacientes como verdadeiros anjos da guarda”, explica Jennifer Elen, Supervisora de Recursos Humanos do Hospital Galileu.

A ação é uma iniciativa do setor de Gestão de Pessoas do HPEG, que desenvolve iniciativas voltadas para o cuidado da saúde mental como, por exemplo, Janeiro Branco e Setembro amarelo.

Implantado neste mês de junho, o projeto conta com dinâmicas em grupo e acompanhamento individual. Todos os colaboradores da unidade terão atendimento com uma Psicóloga Organizacional, disponibilizada para esse tipo de atividade. Além disso, cada gestor poderá encaminhar o colaborador, caso identifique a necessidade.

“Como gestora, sinto uma tranquilidade ao perceber que um colaborador que necessita de um auxílio de escuta especializada terá acesso por meio do projeto Anjos que Cuidam. Isso fortalece ainda mais o sentimento de pertencimento dentro da instituição e garante a saúde dos nossos profissionais”, ressalta Rebeca Matos, Supervisora de Atendimento do HPEG que lidera uma equipe de 20 colaboradores.

Sobre o HPEG

O Hospital Galileu conclui o ano de 2019 com 125 mil atendimentos realizados, sendo 7.872 consultas especializadas, 4.274 internações, 54.077 exames, 3.314 cirurgias e 56.288 atendimentos multiprofissionais.

Gerenciado pela Pró-Saúde, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (SESPA), o Hospital Galileu foi o primeiro hospital público da capital a conquistar a certificação ONA 3 – Acreditado com Excelência, concedido pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Esta é uma das mais respeitadas entidades avaliadoras dos serviços de saúde do país.

Outro feito inédito foi a conquista do prêmio internacional “Health Care Climate Challenge”, que avalia instituições de saúde que estão avançando em direção ao cuidado inteligente com o meio ambiente. A unidade foi uma das cinco instituições nacionais vencedoras do Desafio do Clima pela Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis (Global Green and Healthy Hospitals – GGHH). O Hospital foi reconhecido na categoria de Redução de Gases do Efeito Estufa (não energia), entre 117 unidades que participaram com inscrições em todo o mundo.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.

Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensora gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.