Missa marca implantação da Pastoral da Saúde no Hospital Galileu e emociona pacientes

Esperança, essa foi a palavra que marcou o dia de Eduardo Sarmento, 33 anos. Paciente do Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém (PA), ele ainda luta para se recuperar de um acidente de moto que aconteceu há mais de cinco anos. Ele confessa que, às vezes, é difícil acreditar na recuperação e, por isso, esta quarta-feira, 7/11, foi especial para ele.

Eduardo aceitou o convite dos colaboradores do Hospital Galileu para participar da missa de implantação da Pastoral da Saúde na Unidade, gerida pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar. “Eu estava deitado e foram me avisar que teria uma missa aqui. Eu não sou de acompanhar missa, mas me deu vontade de ir, e foi muito bom para mim, mexeu comigo, me deu incentivo para não desistir do meu tratamento”, contou emocionado.

O objetivo da implantação da Pastoral da Saúde em todos os Hospitais geridos pela Pró-Saúde é justamente o de auxiliar na recuperação de pessoas como Eduardo, levando esperança e equilíbrio psíquico. “A pessoa humana tem três dimensões, física, psíquica e espiritual. É preciso que todas estejam em equilíbrio para que o corpo se recupere. Onde tem uma boa Pastoral da Saúde as pessoas se recuperam mais rápido”, afirmou Dom João Bosco, coordenador da Pastoral da Saúde e superintendente de Atividades Assistenciais da Pró-Saúde.

Dom João esteve no Hospital acompanhado do teólogo e assistente de Filantropia da Pró-Saúde, José Lenivaldo. Além de celebrar uma missa, Dom João se reuniu com os voluntários religiosos da Unidade para alinhar e dar o pontapé inicial no trabalho da Pastoral.

O Padre Adalberto Brandão, pároco da Paróquia Santo Antônio de Pádua, que localizada na comunidade do entorno da Unidade, fez questão de participar da reunião. “Eu percebo que aqui é feito um trabalho humanizado no cuidado com os enfermos, e estou muito interessado em participar desse trabalho da Pastoral da Saúde dentro do Hospital Galileu, para caminharmos juntos, fazer uma parceria. Queremos estar aqui presentes, semanalmente, quem sabe com missas mensais, seria algo importante”, disse.

Próximos passos

A implantação da Pastoral da Saúde vem solidificar o grupo de voluntários religiosos que já frequenta a Unidade, e através de visitas levar palavras de consolo e fé para os pacientes internados e suas famílias.

“O grupo de voluntários religiosos do Hospital Galileu me pareceu maduro, preparado e eficiente, e as perspectivas são de crescer tanto na qualidade do trabalho, porque sempre podemos melhorar aquilo que fazemos, como também o crescimento quantitativo devido à grande demanda que temos nos hospitais. A partir de agora, o trabalho que já é feito, passa a ser institucionalizado”, concluiu Dom João.