Hospital Galileu mantém certificação de qualidade nacional

Garantia de qualidade e segurança para o paciente, obter uma certificação de qualidade ONA é para poucos. O Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém (PA) após conquistar a certificação ONA 2 – Acreditado Pleno, no início do ano de 2018, acaba de passar por uma nova avaliação da Fundação Carlos Alberto Vanzolini – instituição credenciada pela ONA -, na qual, após dois dias de auditoria, a acreditação foi mantida, servindo como etapa preparatória para a certificação máxima, a ONA 3.

A certificação ONA 2 assegura que a unidade possui gestão integrada, com processos ocorrendo de maneira fluida e plena comunicação entre as atividades, além de atender aos critérios de segurança do paciente em todas as áreas de atividade.

Para o diretor-geral da unidade, Saulo Mengarda, ver as conquistas alcançadas pela gestão do Hospital em pouco mais de quatro anos de atividade é motivo de orgulho. “Chegar a esse nível de qualidade em tão pouco tempo de funcionamento, em um hospital público, que mantém o foco na melhoria contínua, é para nós motivo de orgulho tanto dos nossos processos, como entidade, quanto da equipe de colaboradores que temos aqui”, ressaltou.

Durante pronunciamento sobre o resultado da auditoria que manteve a certificação ONA 2, a líder da equipe que avaliou o hospital, Cláudia Akkari, também parabenizou o trabalho desenvolvido na unidade. “A gente gostou bastante do que viu. Parabéns pela equipe super envolvida que vocês têm aqui e espero que a gente também tenho contribuído com a unidade em relação ao processo de melhoria contínua”, afirmou Akkari.

Excelência

Gerido pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar desde a sua inauguração em 2014, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o Hospital Galileu já tem um novo foco pela frente: conquistar a certificação ONA 3 – Acreditado com Excelência, que é o mais alto nível de acreditação da ONA.

“Temos algumas estratégias para facilitar essa chegada ao nível 3, como a auditoria interna do RAG – Requisitos de Apoio à Gestão – em setembro, que será um termômetro para sentirmos se estamos mais perto do nível 3”, revelou Saulo Mengarda, se referindo a ferramenta de avaliação da gestão hospitalar, desenvolvida pela Pró-Saúde, que permite que a unidade avalie seus processos e defina estratégias de melhoria para os pontos de fragilidade.

Atualmente, dois hospitais gerenciados pela Pró-Saúde no estado do Pará já possuem a acreditação máxima concedida pela ONA – ONA 3 -, são eles: Hospital Regional de Altamira (HRPT) e Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém.