Hospital Galileu realiza ação de alerta sobre os riscos de utilizar o celular no ambiente hospitalar

Com o objetivo de alertar os colaboradores da Assistência sobre os riscos de utilizar o aparelho celular durante o atendimento a usuários, o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém (PA), resolveu usar um jeito diferente para abordar os colaboradores sobre o assunto. “Gostei muito da forma como foi apresentado, bem lúdica, deu para frisar todos os motivos pelos quais não devemos utilizar o celular durante o trabalho”, comentou sobre a ação, a enfermeira Amanda Borges.

A ação em questão foi a montagem de um grande celular construído a partir de materiais recicláveis, como papel e caixas. A tela deste celular fictício continha mensagens com os motivos pelos quais o uso do aparelho celular devia ser evitado no ambiente hospitalar, entre eles estavam o risco de contaminação por bactérias; o direito de preservar a imagem e privacidade de paciente e familiares; além da responsabilidade em garantir a qualidade da prestação dos serviços médicos, que pode ser prejudicada com desvios de atenção para o aparelho celular.

“Achei muito importante a ação, e acredito que já tem dado resultado positivo, pois eu vi a equipe diminuir o uso realmente”, ressaltou a enfermeira Amanda. A ação aconteceu ainda no mês de março em todos os postos de Enfermagem da unidade, gerida pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Para o enfermeiro Fabrício Santos, apesar da equipe conhecer os prejuízos de utilizar o celular no horário de trabalho, um momento de sensibilização é sempre importante para alertar e aumentar a adesão. “Foi de extrema importância ter esse trabalho de conscientização, porque não é que a gente não saiba, mas fazendo uma conscientização dessa maneira, prende mais a nossa atenção, a gente observa, e adere mais”, garantiu.

A enfermeira de Apoio da coordenação de Enfermagem, Rafaela Braga, foi a responsável pela criação e desenvolvimento da ação junto aos colaboradores, e comenta que também já percebe o efeito positivo da iniciativa. “Às vezes, só falar com o colaborador não é tão efetivo, é preciso trazer algum elemento que chame a atenção, que sensibilize a equipe, foi daí que surgiu a ideia de fazer algo mais lúdico, e deu certo, a equipe não tem utilizado o celular no horário de trabalho”, finalizou.