Programação de carnaval do Hospital Galileu sensibiliza usuários para trânsito seguro

Humanização e prevenção foram o foco da programação especial de carnaval do Hospital Público Estadual Galileu, em Belém (PA), realizada nos dias 6 e 7/2, na unidade. Com palestras que chamavam a atenção para a importância de não misturar álcool e direção, representantes da Associação Paraense de Motociclistas (Aspamoto) e da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) estiveram no hospital para sensibilizar usuários e acompanhantes.

O professor de História, Alessandro Santos, de 37 anos, que está internado na unidade há cinco dias, após ter sido baleado no braço esquerdo durante uma tentativa de assalto em sua casa, em Castanhal (PA), achou interessante a proposta de falar sobre atenção no trânsito próximo aos festejos do Carnaval. “As pessoas, em geral, parecem achar que carnaval e responsabilidade não cabem na mesma frase. Então, aumentam os índices de acidentes, criminalidade, e é importante alertar para isso”, disse Alessandro.

Para o diretor-geral do Hospital Galileu, Saulo Mengarda, a programação vem reforçar o trabalho que é desenvolvido ao longo do ano inteiro pela unidade, que é 100% SUS, gerida pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). “Desenvolvemos programas como o ‘Direção Viva’ que alerta para a importância do trânsito seguro, de dirigir de forma consciente, sensibilizando e alertando por meio de panfletos e palestras. Acreditamos que isso faz parte da nossa missão, que é cuidar de vidas”, afirmou.

Musicoterapia

Além das palestras, um grupo de musicoterapia animou o dia dos usuários. Tratava-se do grupo de voluntários da Santa Casa de Misericórdia do Pará, o ‘Voluntarização’. “É muito bom, porque aqui, por exemplo, eu não tenho companhia, muitas vezes me sinto solitário, tenho problema de insônia e é bacana quando tem uma ação dessas, que humaniza mais o tratamento e torna mais agradável a nossa estadia aqui”, declarou o professor de História Alessandro Santos.

O grupo ‘Voluntarização’, que completa cinco anos em 2018, esteve pela primeira vez no Hospital Galileu. Formado em sua maioria por estudantes acadêmicos de Terapia Ocupacional, Enfermagem e Serviço Social, percorreu todas as enfermarias da unidade levando música e palavras de conforto aos pacientes.

Anne Pina que é uma das coordenadoras do grupo e atua na área administrativa da Santa Casa, ressaltou que este é um grupo que surgiu dentro da área de Humanização do hospital, e que a parceria com o HPEG demonstra a importância de que os setores de humanização de todos os hospitais trabalhem em parceria pelo bem-estar dos usuários. “Isso demonstra como as fronteiras da humanização podem ser transversalizadas e ampliadas. Esse ano de 2018 vem para isso, expansão. Estamos aqui provando que é possível trabalharmos todos juntos”, afirmou.

Saúde

Também foram realizados na quarta-feira, 7/2, exames para doenças sexualmente transmissíveis. Uma equipe da Sespa era quem realizava os exames, cujos resultados eram entregues em no máximo 20 minutos.

Os colaboradores da unidade, aproveitaram a oportunidade para além de cuidar dos outros, cuidar de si. Foi o caso da auxiliar de Cozinha, Silvana Vieira. “Achei bem importante a programação principalmente pelo lado dos pacientes, que precisam se distrair, e tiveram um momento de alegria. E também a parte dos exames para incentivar as pessoas a se cuidarem. Eu fiz questão de vir, nem que fosse no último minuto, eu ia chegar aqui para fazer os exames”, concluiu sorrindo.